Psicóloga Sílvia Regina Simões

Psicóloga em Jundiaí – Psicoterapia clínica infantil, adulto e terapeuta de casal


Deixe um comentário

IV Feprod USP recebe psicólogas com palestra sobre Administração de Conflitos em Lorena, SP

Na quarta (17), as psicólogas Sílvia Regina Simões e Raquel Araujo apresentaram a palestra sobre Administração de Conflitos na IV Feprod USP (Feira de Engenharia da Produção da Universidade de São Paulo) em Lorena, interior de São Paulo. Anfiteatro cheio e público participativo foram as marcas do evento.

Veja fotos da participação das psicólogas no primeiro dia da feira:

À esquerda, a psicóloga Raquel Araujo e à direita, a psicóloga Sílvia Regina Simões

Os pontos abordados na palestra foram:

 

  • Definição de personalidade: por que somos como somos?
  • Como identificar o início de um conflito?
  • Como agir mediante um conflito?
  • Quando enfrentar e quando evitar um conflito?

É possível adquirir um livreto, de autoria das psicólogas, com o passo a passo para resolver conflitos no estilo “faça você mesmo” por R$ 9,90, em pdf –  EM BREVE!

As palestrantes agradecem enormemente a comissão organizadora do evento, nas pessoas de Marcela Rey e Susi Nunes, pelo convite, suporte e inesquecível recepção! Além disso, parabeniza a iniciativa de incluir a exposição e discussão de temas relacionados a comportamento, habilidades de comunicação e relacionamentos aos estudantes que enfrentarão na vida cotidiana e no mercado de trabalho difíceis situações que exigirão deles muito mais que a ótima formação acadêmica, mas recursos psicológicos funcionais e bem adaptados. 

 

 


Deixe um comentário

Relacionamentos e amor – quando a convivência dói

relacionamento-amoroso-marketing

Embora exista a modalidade “terapia de casal”, relacionamentos amorosos são tema recorrente na terapia individual, não só quando o paciente é adulto, mas quando nos aprofundamos no universo familiar da criança e na relação entre seus cuidadores. Por vezes são encontradas feridas profundas e rupturas irreparáveis nessas relações trazendo dificuldades e sofrimento.

Sabemos, entretanto, que nenhum relacionamento é perfeito, certo? Todos somos pessoas diferentes e os conflitos vão sempre existir, no sentido de termos experiências e conhecimentos diferentes sobre determinado ponto e haver a necessidade de alinhar tudo isso, ceder. gerar consenso, etc.

Mas como saber se um relacionamento precisa de ajuda?

identidade

INDIVIDUALIDADE: “Quando um não quer, dois não fazem”

Partimos do princípio de que há uma individualidade a ser preservada em qualquer relação. É a mínima partícula indivisível de um ser social. Engloba necessidades, aprendizados, anseios, sua forma particular de perceber e responder ao mundo.

RELAÇÃO: “Somos um só”

Não! Relação não é fusão, não é sobreposição. É interação, é vínculo, é um posicionamento lado a lado dentro de uma instância comum. Ou seja, a relação une dois indivíduos sob uma determinada cultura que dá condições específicas para certos comportamentos que, caso não fossem um casal, não seriam aceitos.

34078118-two-cats-stylized-under-the-symbol-yin-yang-stock-photo

INDIVIDUALIDADE X RELAÇÃO: “Amar a si mesmo antes de amar outrem”

A falta de repertório para administrar conflitos é permeada por uma individualidade fragilizada por falta de conhecimento e prática em lidar consigo mesmo, delimitando-se, delineando-se. Estar no poder da própria individualidade implica necessariamente respeitar a do outro.

É aqui onde habita o conselho do senso comum sobre “amar a si mesmo antes de amar outrem”. Nessa dificuldade de saber onde um começa e outro termina, surgem ferimentos, dor, sofrimento. E isso, amar a si mesmo antes, constituir individualidade, muitas vezes não acontece.

Em outras palavras, quando as dificuldades e necessidades do outro passam a impedir você de manter sua integridade individual, seu relacionamento precisa de ajuda.

queescojo

EXEMPLOS

Problema: Maria apresenta comportamento ciumento e José cede frequentemente aos apelos mais absurdos da namorada, tendo em vista evitar conflitos entre eles. 
Solução: Em vez de se sujeitar ao ciúme de Maria, José pode ajudá-la a buscar ajuda para resolver sua dificuldade e agir de acordo com o que lhe for orientado, no sentido de reduzir o controle inadequado de Maria sobre ele e não alimentá-lo.

Problema: Marcela aprendeu com sua mãe que homens são provedores e mulheres são rainhas do lar. Fred, no entanto, cresceu vendo mãe e pai saírem cedo para o trabalho, dividindo a conta, cuidando juntos dos filhos e dos afazeres da casa. Hoje em dia, casados, Marcela vive irritada e tratando o marido aos berros por ele se intrometer na cozinha. Fred se sente pressionado e frustrado por gastar todo o seu tempo em dois empregos para sustentar a casa, quando gostaria de passar mais tempo ao lado de Marcela.
Solução: Tudo começa com uma conversa franca, em que ambos relatam como se sentem. A partir disso, é importante reconhecer e alinhar suas visões sobre casamento e construção de um lar, da vida a dois. Depois, traçar uma série de regras e submetê-las aos dois, para que possam entrar em um consenso e então, efetivá-las, com paciência e confiança, para pouco a pouco construirem sua própria realidade.

Problema: João está estressado. Tem trabalhado exaustivamente e gasto muito dinheiro em situações incontroláveis. Ele chega em casa e mal fala com Carlos. Tranca-se no quarto, gerando uma sensação intensa de rejeição no namorado. Quando se dirige ao companheiro, é com rispidez e grosseria. Carlos tem sentido cada vez menos prazer em chegar em casa depois de um longo dia de trabalho e fica tenso, altera sua rotina, de forma a tentar não provocar explosões em João. 
Solução: Uma conversa franca e assertiva pode mostrar a João que problemas externos ao relacionamento têm impactado negativamente sobre o seu namorado. João deve buscar ajuda multidisciplinar para tratar seu estresse. Carlos pode ajudá-lo, facilitando seu acesso a alimentação adequada, exercícios físicos, acolhimento através da escuta ativa e carinho.

RESUMINDO… 

É possível e desejável nos unirmos aos outros e com a ajuda de quem amamos, superar nossos problemas e dificuldades, bem como nossas necessidades. Mas a dificuldade de um não deve resultar em sofrimento e rejeição para o outro, dentro da relação que estabeleceram.

Caso precise de ajuda com seu relacionamento, estou à disposição!

Um abraço*


Deixe um comentário

É neste sábado! Palestra gratuita sobre Administração de Conflitos em Jundiaí

14370432_1345722052105866_207468921414618543_n

Basta que nos relacionemos uns com os outros para haver conflito. Não falo necessariamente de brigas, mas a discordância é da natureza das relações, uma vez que cada ser humano nasce e se desenvolve diferente do outro. Portanto, aprender sobre como administrar conflitos é fundamental se você não vive sozinho nesse mundo!

As psicólogas Sílvia Regina Simões e Raquel Araujo darão boas noções sobre administração de conflitos em palestra gratuita no sábado, dia 22 de outubro de 2016, a Biblioteca Municipal Nelson Foot (Complexo Argos, Jundiaí). A palestra terá início às 10h e vale certificado para horas complementares.

Veja alguns dos temas que serão abordados:

  • Definição de personalidade: por que somos como somos?
  • Como identificar o início de um conflito
  • Como agir mediante um conflito
  • As fases do conflito, como revertê-las
  • E mais!

Aproveite essa oportunidade de trazer mais conhecimento aplicado à vida cotidiana com ajuda da psicologia, gratuitamente!

SERVIÇO

Palestra Gratuita: Administração de Conflitos
Palestrantes: Psicólogas Sílvia Regina Simões e Raquel Araujo
Hora: 10h
Data: 22/10/2016
Local: Biblioteca Municipal: Avenida Doutor Cavalcanti, 396, 13201-003 Jundiaí, SP
Investimento: Gratuito
Certificado: Sim, vale como horas complementares

 


Deixe um comentário

“Ele(a) me irrita!” – Como lidar

um-fato

Isso é porque você age de maneira menos habilidosa sob efeito da irritação, no sentido de reduzí-la. Se os ovos estão podres, não tem como o bolo ficar bom!

Quem nunca sentiu raiva, irritação, frustração ao conviver ou se comunicar com outra pessoa? Seja porque o outro não nos entende, não nos deixa falar, critica tudo o que dizemos, nos acusa de fazer ou sentir o que vemos como a pessoa fazendo ou sentindo… São muitas as razões pelas quais podemos nos sentir raivosos ou irritados.

Pois vamos pensar nessa situação da seguinte forma:

tumblr_lmjm2yx7ci1qgimv5o1_500_large

Vai chover. As janelas de casa estão abertas. Se não fechá-las e chover dentro de casa, a responsabilidade sobre o ocorrido é minha ou da chuva?

A CHUVA SÃO AS OUTRAS PESSOAS: Eventos da natureza são incontroláveis. Vamos nos construindo em torno deles de forma a prevenir prejuízos ou tirar proveito máximo de seus fenômenos.

A CASA SOMOS NÓS: Na casa sim podemos atuar. Construí-la de palha ou de tijolos, com janelas amplas para aproveitar a iluminação natural, cuidar do telhado e, principalmente, cabe a nós estarmos atentos aos eventos externos e incontroláveis que podem nos causar prejuízos e tomar as providências para evitá-los.

13912749_1313190772025661_5536711739650854768_nAmarga realidade, não é? “Quer dizer que outra pessoa insuportável me irrita e sou eu quem deve tomar medidas para não me irritar?”
A resposta é: A princípio, sim.
“Mas ela está certa, então?”
Depende. Se certo for fazer a coisa exata que gera tais consequências que desejo, pode ser que sim.
É mais importante estar certo ou resolver o problema?

Mas o que seria FECHAR A JANELA?

– Estar atento aos seus limites,
– Priorizar o amor própio,
– Saber exatamente quais são suas cartas e suas possibilidades naquela jogada. Seria saber dar o real peso que a opinião e posição outro tem sobre você,
– Não esperar CONVENCER o outro daquilo que é importante para SI,
– Não esperar OBTER SUPORTE IRRESTRITO do outro,
– Não depender da APROVAÇÃO do outro para atitudes que VOCÊ deve tomar,
– Não deixar a AUTONOMIA ALHEIA lhe ferir, pois você só pode trabalhar com A SUA PRÓPRIA.

SUGESTÃO DE LEITURAS COMPLEMENTARES SOBRE:
Limites, Amor próprio, Autoconfiança

Viver pequenos momentos de irritação é comum a todas as pessoas do mundo. Ninguém é tão vigilante e adequado que esteja com a janela sempre fechada aos primeiros pingos. Sendo assim, OUÇA antes de falar e mantenha como regra REFLETIR E ANALISAR ANTES DE RESPONDER. Pensar a respeito é a forma mais garantida de conseguir recorrer aos recursos que citei acima. Além disso, há o conteúdo verbal e não verbal da fala. A forma e como isso lhe afeta é um bom referencial sobre a hora de parar de responder e refletir.

o-tolo

Costumo dizer: “Essa interação não atingiu níveis mínimos de segurança para ser realizada”. Esteja atento a analisar tais níveis para saber quando fechar a janela.

ATENÇÃO! 
Alguns comportamentos alheios são violentos ou doentios e causam um estrago imediato ou a médio e longo prazo em nossas vidas. Nesses casos, é preciso intervir, não só fechando a janela, mas às vezes recorrendo à nossa rede de apoio e até às autoridades que orientarão ou apoiarão a produzir formas mais efetivas de proteção e prevenção de danos.

Um forte abraço*


Deixe um comentário

18 formas de desenhar para recuperar foco e equilíbrio

preview-650x390-650-1446837242

No dia a dia, a nossa fala ou a escrita parecem os principais – senão os únicos – meios de nos expressar e ligar nossa capacidade de pensar e resolver problemas ao mundo. Mas, pensando assim, estamos excluindo uma habilidade chamada pensamento visual, muito mais ampla que a escrita ou a fala e ignorando capacidades incríveis de interagir com a porção inconsciente de nosso cérebro.

A terapeuta Victoria Nazarevich propôs 23 exercícios de desenho para recuperar o foco e auxiliar no equilíbrio das nossas emoções, através da integração de hemisférios e estimulação de habilidades múltiplas do cérebro. Abaixo, listo 18 delas:

  1. Se você está cansado, desenhe flores.
  2. Se está bravo, desenhe linhas.
  3. Se alguma coisa está doendo, comece a esculpir (use massinha de modelar!).
  4. Se você está entediado, comece a colorir uma folha de papel.
  5. Se está triste, pinte um arco-íris.
  6. Se você tem medo, aprenda a fazer o ponto macramê.
  7. Se está angustiado, faça uma boneca de pano.
  8. Se está indignado, rasgue uma folha de papel em pedacinhos.
  9. Se está preocupado, comece a fazer origami.
  10. Se está tenso, desenhe padrões diferentes.
  11. Se você precisa lembrar alguma coisa, desenhe labirintos.
  12. Se está decepcionado, faça uma réplica de uma pintura.
  13. Se está desesperado, desenhe caminhos.
  14. Se você precisa entender alguma coisa, desenhe mandalas.
  15. Se você precisa renovar as energias, desenhe paisagens.
  16. Se você precisa organizar os seus pensamentos, desenhe células ou quadrados.
  17. Se você quer se concentrar nos seus pensamentos, desenhe com pontos.
  18. Para encontrar a melhor solução para uma situação, desenhe ondas e círculos.

A fonte é o próprio site da terapeuta e a tradução e divulgação em lingua portuguesa é site Incrível.Club: Lá você pode conferir mais algumas dicas, a íntegra do artigo original.

Mãos à obra!

Forte abraço*


2 Comentários

Empatia x Simpatia – vídeo ilustra a diferença

Você pode nunca ter parado para pensar a respeito, mas certamente já desejou menos simpatia e mais empatia num momento de dificuldade. No vídeo abaixo, a cientista explica com muita clareza e ilustra a diferença entre as duas habilidades.

E você? Possui a habilidade de ser empático?

Se não, não se preocupe. É perfeitamente possível desenvolvê-la para viver melhor com os seus. Procure um psicoterapeuta.

Abraço*


Deixe um comentário

Psicóloga Sílvia Simões ministra palestra na Semana de Psicologia da Faculdade Pitágoras, em Jundiaí

Na noite última sexta-feira (18), a psicóloga Sílvia Regina Simões foi a palestrante convidada do encerramento da Semana de Psicologia da Faculdade Pitágoras, em Jundiaí. A cerimônia foi realizada no auditório geral da Escola Superior de Educação de Física, no Bolão. Cerca de 150 alunos de 1º a 5º ano de psicologia assistiram à palestra cujo título foi “Terapia de Casal: quando a psicologia mete a colher”.

Na oportunidade a psicóloga abordou os pressupostos teóricos e técnicos da avaliação de demanda e intervenção em psicoterapia de casal, sob o ponto de vista da abordagem analítico comportamental. Houve entusiasmada participação dos presentes com questões sobre a prática da terapia de casal no momento dedicado às perguntas.

“O objetivo principal da terapia de casal é tornar os indivíduos capazes de lidar com os sofrimentos produzidos pela condição conjugal, ou seja, aquela fatia da vida de cada um que se cruza e torna duas histórias e pessoas diferentes em, efetivamente, um casal”, declarou a psicóloga na apresentação.

O evento seguiu com o encerramento da semana que contou com palestrantes externos e abordou outras áreas de atuação da psicologia, como clínica hospitalar e teve ciclo de apresentação de casos clínicos de estudantes locais.

Acompanhe algumas fotos do evento.