Psicóloga Sílvia Regina Simões

Psicóloga em Jundiaí – Psicoterapia clínica infantil, adulto e terapeuta de casal

Praticar dizer NÃO e suas consequências – dicas para reconhecer limites e respeitá-los

Deixe um comentário

aprender a dizer não

Provavelmente já aconteceu com você. Alguém pede algo e você, mesmo sabendo que vai ser sacrificante, que o outro não merece tanto esforço, que não receberia o mesmo em troca, diz “sim, claro”. E depois são muitos os momentos em que você se arrepende e se culpa por não ter dito a verdade “não, não vai dar”.

semaforo-1.jpgHá pessoas que têm dificuldades em reconhecer limites e só percebe que ultrapassou os seus quando sofre mediante o cumprimento do “sim”. E há quem acenda uma luz vermelha diante do pedido e não consegue pronunciar o não!

Em psicoterapia analítico comportamental trata-se tanto o reconhecimento desses limites e necessidades pessoais, quanto a habilidade de negar sacrifícios quando estes violam tais limites. O primeiro caso entra num contexto de autoconhecimento e o segundo, assertividade.

UM GUIA PARA RECONHECER LIMITES E DIZER NÃO

Devo parar de ajudar as pessoas e pensar só em mim? NÃO!

#Ficaadica sobre o limite do sim e do não. Pergunte-se e avalie:

  • A pessoa é capaz de realizar aquilo que lhe pediu por si mesma? Em caso positivo, ceder ao pedido não só pode lhe fazer mal, como vai impedir o desenvolvimento dela. Com crianças, o problema do desenvolvimento é ainda mais brutal.
  • Se a pessoa não for capaz de fazer por si mesma, o que ela lhe pediu vai garantir algo ou lhe conferir uma vantagem que você mesmo não tem? Favores que impulsionam o outro de alguma forma são uma forma indireta de contribuir para comportamento antiético e não sustentável para você, que “cobrará” eternamente a dívida do que fez pelo outro e para ela, que logo precisará de “muletas” de novo.
  • Prestar o favor lhe colocará em segundo plano ou gera uma perda (de tempo, de energia, de recursos) irreparável? Mesmo que a pessoa não possa fazer por si mesma e que não vá lhe trazer nenhum benefício, mas apenas lhe poupar dor ou riscos, primeiro você – então é preciso dizer não.

AS CONSEQUÊNCIAS DE DIZER NÃO

Se você sempre foi aquele camarada que quebra galhos de todo mundo, quando começar a negar aquilo que ultrapassa seus limites pessoais, as pessoas à sua volta certamente vão estranhar.

Calma! Isso piora no início e depois passa!

familia8497-1-m-Thinkstock_e_Getty_Images

Geralmente, na família, o sentimento de rejeição e frustração de quem recebe o não é demonstrado e sentido mais intensamente. No entanto, se você se mantiver firme, as pessoas aprenderão a lidar com seus novos limites. Você se tornará mais feliz e todos sentirão os novos benefícios de sua nova postura.

Às vezes temos dificuldades em avaliar a necessidade e gravidade de certas situações. Para evitar alguém fazendo “birra” por não conseguir de nós o que deseja, nos sacrificamos. E depois esperamos que a pessoa faça o mesmo. E a frustração não tem fim…

TERAPIA DE CASAL

Couple in disagreement at homeE no casamento? Não deveria haver sacrifício mútuo em tempo integral? NÃO! Isso não diz respeito ao status do relacionamento. Diz respeito à integridade de sua individualidade. Se não há dois indivíduos plenos, o casamento não vai consertar nada, pelo contrário, somar dificuldades resultará em… mais dificuldades!

Mas quando há disponibilidade de ambos, a mudança traz benefícios como maior contentamento com a relação e união muito mais afetiva. Deixa-se de esperar que o outro “o salve” e passa-se a ter mais disponibilidade para viver afetivamente e trocar aquilo que se tem de melhor.

PORTANTO…

Reconheça suas necessidades e limites. Não os sacrifique para atender demandas que o outro é capaz de solucionar por si mesmo. E seja mais feliz!

Forte abraço!

Anúncios

Autor: Sílvia Regina Simões

Psicóloga clínica em Jundiaí, atendo na abordagem analítico comportamental, psicoterapia individual de crianças e adultos e psicoterapia de casal. Formada em Psicologia pelo Centro Universitário Padre Anchieta, de Jundiaí, SP, atuei como pesquisadora bolsista do CNPq estudando o tema “motivação”. Vinda da área de Comunicação Social – Jornalismo, pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, carrego ampla bagagem conhecimentos em Ciências Humanas e experiência com diversificados públicos e contextos. Atuo no atendimento do convênio Bradesco e psicoterapia particular em meu próprio consultório, no Centro de Jundiaí, SP. Agende sua sessão: (11) 9 9615 8632 - s.silvia.psicologa@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s